Home Saúde Saúde Tempo seco = pequeninos doentes? Tome alguns cuidados!
Tempo seco = pequeninos doentes? Tome alguns cuidados! PDF Imprimir E-mail
Qua, 19 de Setembro de 2012 10:26

O clima seco, apesar da temperatura amena, causa surtos de doenças relacionadas à falta de hidratação do corpo, ocasionando uma sinfonia de barulhinhos característicos em casa. Os pequeninos são os que mais sofrem: aquela tossinha que não passa, os olhinhos avermelhados e coçando, o nariz que ‘apita’ e sangra de repente, os lábios que racham e machucam a boquinha...

 

Muita atenção e alguns cuidados extras com as crianças amenizam estes sintomas e ajudam a passar pelos períodos de baixa umidade de uma forma mais tranquila. Existem algumas receitinhas de “vó” que dão certo e não passam de gerações (com melhorias, claro!):

  • Usar umidificadores/ vaporizadores de ambientes em sua residência ou (‘como dizia a vovó’) espalhar recipientes com água e toalhas molhadas pela casa, ajudam a aumentar a umidade e melhoram a qualidade do ar. Muito cuidado com baldes ou bacias no chão, opte por recipientes menores e sobre móveis mais altos, para afastar risco de afogamento.
  • Antes de dormir, faça uma inalação com soro fisiológico na criança, isto evita que o nariz resseque e sangre, e oferece uma noite de sono mais confortável ao pequeno. Ligar o chuveiro bem quentinho e aproveitar a fumaça também funciona (‘como dizia a vovó’) acompanhado de uns “puffs” de soro fisiológico nas narinas.
  • Abuse dos hidratantes de corpo e protetores labiais tipo manteiga de cacau. Se forem maiorzinhas, as meninas vão adorar o novo ‘batom’ Ficar atenta á temperatura dos banhos, evitando água muito quente, também diminui a desidratação da pele.
  • Ofereça muito liquido, durante todo o dia. Além disso, opte por copos coloridos e alegres e os mantenha cheios de água em locais estratégicos de acesso da criança: no carrinho, ao lado do sofá, próximo aos seus brinquedos. Isso vai estimular que eles criem o hábito de beber água sozinhos; mas opte por modelos com tampa antivazamento para evitar que não se molhem.


Complementando:

 

Quando podemos dar água ao bebê?


Até seis meses de vida

O bebê não precisa tomar água, geralmente os pediatras não aconselham dar água ao bebê. O leite materno possui todos os nutrientes necessários para seu bebê cerscer saudável sem que seja preciso dar água. Em dias mais ensolarados e quentes, a necessidade do bebê de mamar acaba sendo maior, e por conseqüência é aconselhável que a mãe beba mais água.

Antes de dar água ao bebê nessa fase, é aconselhável que a mãe converse com o pediatra e se informe melhor a respeito. Como o bebê nessa idade possui o estômago pequeno, a água pode acabar enchendo-o e atrapalhando na amamentação, ou pode também atrapalhar na digestão. Oferecer chás em excesso para a criança também pode prejudicar a amamentação se oferecidos com muita frequência.

Em casos de vômitos constantes, o médico pode recomendar um preparo especialmente para evitar o problema da desidratação, isso é o caso do soro caseiro ou qualquer outra solução reidratante vendida em farmácias. Mas consulte o médico sempre antes de dar alguma delas para o bebê.


De 6 meses a 1 ano de vida

Nessa fase você pode dar água quando ele estiver com sede, mas evite exageros. Dê sempre alguns goles de água quando necessário, após uma papinha mais salgada seria o ideal. E lembre-se, a água pode encher o bebê e isso acabará ocupando o lugar da alimentação, modere a oferta dela.


Crianças a partir de 1 ano de vida

A partir de um ano a água pode ser liberada à vontade. Nessa fase de desenvolvimento a criança já tem a alimentação parecida com a nossa e pode tomar a quantidade de água que quiser.

A água deve ser dada principalmente nos dias quentes e secos para evitar uma possível desidratação, que é muito comum durante as fases quentes do ano como o verão.

 

Fonte: Dican e Bebe Saúde

 

 

Assine a Newsletter

Junte-se às milhares de ma- mães que ficam mais informadas!

E-mail:

 

Inscrever Remover

Colunistas

Dra. Cinthia Cimatti Giovannetti Gouveia - CRO 8989, formada em Odontologia pela Unimar - Universidade de Marília-SP.
Formada em Medicina pela Universidade Oeste Paulista, a Dra. Ana Carolina Zeni, possui diversos cursos de Pós-graduação em Medicina Preventiva e Estética no Brasil e no exterior. site

Maria Cecília Mattos, psicóloga graduada pela PUC-Rio. Além do consultório particular, atua na área da Psicologia Perinatal. maternidadenodiva.com
Izaara Alvarenga é graduada em Nutrição, pela UNILAVRAS, em Lavras - MG. Cursa Especialização na UNESP, Botucatu - SP. Atua na Pastoral da Criança e no Lar Esperança e Vida Mateus Loureiro Ticle, de apoio ao portador de Câncer, em Lavras.
Stella Romanholli - Escreve e fala sobre gastronomia em jornais e programas de Rádio, no Estado de Goiás.
É Geógrafa pela UFGO, Pós Graduada em Saúde Pública pela Universidade Estácio de Sá RJ, Arte Terapeuta pela UCAM RJ, Gastrônoma pela Fac.Cambury GO.
Juliana Chaves Oliveira - Advogada OAB/PR 38.650
Especialista em Direito Contratual
julianacha@ibest.com.br